segunda-feira, 27 de maio de 2013

MEU COQUEIRO ANÃO


Tanto que eu queria um coqueiro no quintal que me surpreenderam nos dias dos pais  de 2009  com uma muda de coqueiro anão.
- Já tem um ano de idade, o homem disse que ele começa a produzir  com 03 anos.
Era uma muda pequenina, mas com experiência de vida de gente grande , pois nem sentiu a mudança  e foi logo se alongando  e criando novas folhas.
Todos os dias, ao chegar do trabalho, passava por ele, cumprimenta-o e com carinho acariciava as suas folhas compridas e arejadas  que ao sussurrar dos ventos balançavam em movimentos de vai e vem agradecendo.
As primeiras folhas que conheci ao chegar ficaram amareladas e foi preciso ceifa-las, mas do seu interior  outras lindas folhas  surgiram trazendo uma beleza incomum à sua performance.
O meu coqueiro anão já assistiu  algumas de minhas histórias. Primeiro foi a ansiedade na publicação do livro Engenheiros de Pau a Pique, minha obra literária  contendo histórias da minha infância.
Também foi testemunho das Bodas de Prata da minha união com a Beatriz, minha eterna companheira  que juntamente com o lançamento do livro foi realizada uma grande festa.
No ano de 2011 meu coqueiro anão quase ficou sem os afagos que o embalavam todos os dias. Uma súbita dor me levou a uma nova cirurgia de emergência e durante quarenta dias fui limitado poucas atividades.
Outro dia, em uma visita formal ao meu coqueiro anão, contei a ele da minha alegria de vê-lo tão formoso e então resolvi contar as folhas que nasceram  desde a sua mudança para o meu quintal, quando apenas quatro folhas podiam ser contadas.
Me surpreendeu: eram dez! Uma dezena de folhas alongadas e belas evoluíram do seu tronco desde que aquele tempo, as  quatro folhas ceifadas se transformaram em base para que seu tronco fortalecesse para cima e avante.
Meu coqueiro anão  que  foi meu companheiro em  uma linda foto na sua chegada onde eu precisei me ajoelhar para ficarmos iguais em tamanho, hoje o seu porte transcende duas vezes a minha altura  ligando-nos da terra ao céu.
Meu coqueiro anão, buscando vitalidade verde terra abaixo, mostra pelo seu porte que em breve  frutos vigorosos brotarão do seu tronco para compartilhar conosco o seu néctar adocicado.
Meu coqueiro anão: faça-me forte como você para que possamos juntos vivenciar os momentos felizes que ainda hão de vir.
Salve meu coqueiro anão. Salve meu grande  companheiro...


Fonte:http://www.recantodasletras.com.br/cronicas/4202423
Paulinho de Freitas
22/03/2013
Paulinho de Freitas
Enviado por Paulinho de Freitas em 22/03/2013
Código do texto: T4202423

Nenhum comentário:

Postar um comentário