terça-feira, 20 de agosto de 2013

Coqueiro Anão- Características Botânicas




O coqueiro uma das mais belas palmeiras, pertence à família das palmae. É uma planta arbórea com caule ereto, geralmente sem ramificações e com folhas terminais. Estudos taxonômicos e investigações da anatomia das monocotiledôneas indicam que a espécie Cocos Nucifera é monotípica. Contudo, diferentes variedades são reconhecidas. Estas podem ser divididas em dois grandes grupos: os coqueiros gigantes e os coqueiros anões. Os híbridos são cruzamentos entre progenitores masculinos gigantes e progenitores femininos anões.

Caule:
Em termos botânicos exatos o coqueiro não é uma árvore.
Seu tronco é chamado de estipe. Geralmente, o coqueiro possui um único estipe, em ocasiões raras, mais de um estipe pode ser encontrado. Acredita-se que o dano no ponto de crescimento pode causar a ramificação.
O ponto de crescimento do coqueiro está localizado em gema terminal no centro de topo do estipe. Os primeiros anos após a germinação, somente internódios muito curtos são formados, dos quais, muitas raízes adventícias brotam. Este período dura até a completa expansão e emergência do estipe do solo, sendo de aproximadamente dois anos para o coqueiro anão.
Devido à ausência de tecido meristemático, o estipe não apresenta crescimento secundário em espessura, por não haver formação de novos tecidos. Sob condições desfavoráveis, como seca prolongada, má nutrição ou ataque de doenças e pragas, a porção da estipe formada neste período pode apresentar variações no seu diâmetro, devido a variações no tamanho individual das células.
A superfície do córtex mostra cicatrizes foliares de forma triangular, indicando o local onde as folhas estavam atadas. Entre as cicatrizes foliares, estão is internódios. A distância entre os internódios é uma característica varietal, as variedades anãs possuem internódios muito mais curtos que as variedades gigantes.

Raiz
Como uma monocotiledônea, o coqueiro não possui raiz principal ou pivotante. O crescimento radicular inicia-se na germinação: raízes adventícias desenvolvem-se da base da estipe e são produzidas continuamente. O número de raízes varia muito com as condições ambientais, idade da planta e o tipo de solo. Raízes podem desenvolver-se logo acima da base da estipe mesmo a maiores alturas, em condições de alta umidade. As raízes não se desenvolvem em ambientes com a água estagnada, provavelmente, devido à falta de oxigênio.
A maior concentração de raízes é encontrada perto do estipe, a densidade de raízes é encontrada perto do estipe, a densidade de raízes geralmente diminui com a distância da palmeira e a profundidade. A distribuição radicular também pode ser afetada pela umidade, tipo de solo, modo de fertilização e outros fatores que afetam o desenvolvimento da planta.
Normalmente a maioria da massa radicular está concentrada no primeiro metro de solo, mas parte das raízes pode penetrar mais profundamente até alcançar o lençol freático.
As raízes primárias têm a função principal de sustentação, delas partem as raízes secundárias, de onde partem as terciárias, que produzem as radicelas, principais raízes de absorção, geralmente, concentradas na parte mais fértil do solo.


Fonte: Cultivo de Coco Anão-Luiz Ângelo Mirisola Filho

Nenhum comentário:

Postar um comentário